quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Adolescência

Nossos pais sempre nos alertam para as coisas certas e errada, mas nessa fase da vida achamos que sabemos de tudo. E na verdade apenas estamos começando...

Durante a juventude é uma altura para desenvolver uma relação com Deus. A Bíblia diz em Eclesiastes 12:1 “Lembra-te também do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias, e cheguem os anos em que dirás: Não tenho prazer neles.”

Deus se interessa mais na boa vontade de que na idade. A Bíblia diz em 1 Samuel 2:18 “Samuel, porém, ministrava perante o Senhor, sendo ainda menino, vestido de um éfode de linho.”

Que pede Deus das crianças? A Bíblia diz em Colossenses 3:20 “Vós, filhos, obedecei em tudo a vossos pais; porque isto é agradável ao Senhor.”

Um dos mandamentos de Deus é que os filhos honrem e respeitem os seus pais. A Bíblia diz em Êxodo 20:12 “Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá.”

Até quando devem os filhos respeitar os pais? A Bíblia diz em Provérbios 23:22 “Ouve a teu pai, que te gerou; e não desprezes a tua mãe, quando ela envelhecer.”

Boa disciplina é um sinal do amor que os pais têm pelos filhos. A Bíblia diz em Provérbios 13:24 “Aquele que poupa a vara aborrece a seu filho; mas quem o ama, a seu tempo o castiga.”

Os jovens podem ser bons exemplos de Jesus. A Bíblia diz em 1 Timóteo 4:12 “Ninguém despreze a tua mocidade, mas sê um exemplo para os fiéis na palavra, no procedimento, no amor, na fé, na pureza.”

Os filhos devem aprender com os seus pais. A Bíblia diz em Provérbios 1:8 “Filho meu, ouve a instrução de teu pai, e não deixes o ensino de tua mãe.”

Viver uma vida imprudente desonra os pais. A Bíblia diz em Provérbios 28:7 “O que guarda a lei é filho sábio; mas o companheiro dos comilões envergonha a seu pai.”

É errado aproveitar-se dos pais. A Bíblia diz em Provérbios 28:24 “O que rouba a seu pai, ou a sua mãe, e diz: Isso não é transgressão; esse é companheiro do destruidor.”

Os jovens devem ter cuidar na escolha de amigos. A Bíblia diz em 2 Timóteo 2:22 “Foge também das paixões da mocidade, e segue a justiça, a fé, o amor, a paz com os que, de coração puro, invocam o Senhor.” 


Fonte:http://www.jesusvoltara.com.br/info/adolescentes.htm

Pais e Filhos



A confiança entre Pais e Filhos pode determinar o futuro da familia.
Se não houver confiança, o relacionamento entre eles pode acabar e talvez nunca se recuperar.
Mas como ter a confiança de seu filho ou vice-versa?
Sim, os pais também podem abalar a confiança, principalmente quando não cuprem com promessas, traem seu marido ou mulher, traem seus filhos.
Procurei um ensino que pudesse falar sobre confiança, mas achei algo que é importante para a educação de filhos.

Algumas Coisas que os Pais Devem Ensinar aos seus Filhos

Um pequeno estudo como este não é suficiente para falar de tudo que os pais precisam comunicar aos seus filhos. Qualquer pai ou mãe poderia parar aqui e se dedicar ao estudo da própria Bíblia para achar uma orientação muito mais ampla. Aprenda a ser fiel a Deus e procure ensinar os mesmos princípios aos seus filhos.
As sugestões que seguem servem para iniciar ou orientar o seu estudo, mas não são uma lista completa das instruções que os filhos precisam. Vamos considerar algumas coisas que os filhos devem aprender dos seus pais.

● Respeitar autoridade. Aprender a respeitar a autoridade absoluta do Senhor é de suma importância para a salvação eterna dos filhos (Mateus 28:18-20; 2 Tessalonicenses 1:7-9). Mas esta lição começa antes da criança desenvolver a capacidade para compreender a idéia de um Ser espiritual e invisível. Quando a criança aprende a respeitar a autoridade da mãe e do pai terrestre, toma um passo importante na direção da submissão a Deus. Se não respeitar o pai visível, como vai obedecer o Pai celeste? O princípio de respeito deve abranger outras figuras de autoridade – professores na escola, supervisores no serviço, oficiais do governo e guias espirituais (cf. Romanos 13:1-7; 1 Pedro 2:13,18; 3:1; Hebreus 13:17).

● Reconhecer limites e conseqüências. Os pais precisam ensinar o princípio da colheita: “Aquilo que o homem semear, isso também ceifará” (Gálatas 6:7); “O que semeia a injustiça segará males...o generoso será abençoado” (Provérbios 22:8-9). Desobediência precisa ser castigada: “Castiga o teu filho, enquanto há esperança” (Provérbios 19:18; cf. 23:13). “Disciplina rigorosa há para o que deixa a vereda, e o que odeia a repreensão morrerá” (Provérbios 15:10).

● Conhecer o Senhor. Quando trazemos um filho para este mundo, damos vida à uma pessoa com um espírito que vai existir para a eternidade – ou na presença de Deus na glória do céu, ou banido da presença dele no tormento do inferno (João 5:29; Mateus 25:46; 2 Tessalonicenses 1:8-9). Aquele filho cresce, se torna responsável pelos próprios atos e, infelizmente, peca contra Deus (Romanos 3:23). Para alcançar a vida eterna e evitar o castigo eterno, ele precisa conhecer o Senhor. Precisa crer em Jesus Cristo (João 8:24), arrepender-se (Lucas 13:3) e ser batizado para remissão dos seus pecados (Atos 2:38; Marcos 16:16). Os pais devem ensinar seus filhos sobre Deus e sobre a salvação em Jesus.

● Conhecer a Bíblia. Para conhecer o Senhor, é necessário conhecer a palavra que ele nos revelou. Salmo 78 fala da importância do ensinamento baseado na História bíblica. Crianças pequenas gostam de ouvir as histórias de Noé, Abraão, Moisés, Davi, Daniel, etc. São capazes de aprender muitos fatos importantes sobre Deus. Aproximando a adolescência, desenvolverão uma capacidade maior para compreender os ensinamentos (doutrinas) da Bíblia, já com uma base sólida de compreensão histórica. Comece cedo, e continue ajudando seus filhos a crescerem no conhecimento da palavra.

● Distinguir entre o certo e o errado. O primeiro filho a nascer na história do mundo pecou quando não escolheu o bem (Gênesis 4:7). Os nossos filhos terão que decidir entre dois caminhos com destinos opostos (Mateus 7:13-14; Hebreus 5:14). Esta capacidade de distinguir entre o bem e o mal definirá diversas decisões na vida: “O que justifica o perverso e o que condena o justo abomináveis são para o Senhor, tanto um como o outro” (Provérbios 17:15).

● Trabalhar e ser responsável. O homem foi criado para trabalhar, e deve ser responsável em todos os seus compromissos. Deus sempre condenou a preguiça (Provérbios 6:6-11; 19:15,24). Paulo disse: “Se alguém não quer trabalhar, também não coma” (2 Tessalonicenses 3:10). Tratando da responsabilidade financeira em relação à família, ele disse: “Ora, se alguém nãotem cuidado dos seus e especialmente dos da própria casa, tem negado a fé e é pior do que o descrente” (1 Timóteo 5:8).

● Ser responsável pelos próprios atos. Desde o pecado do primeiro casal, as pessoas têm tentado fugir da responsabilidade pelos próprios atos (veja Gênesis 3:11-13). A mulher culpou a serpente que a tentou. O homem culpou a mulher e até tentou jogar uma parte da culpa em Deus por ter criado sua companheira! Muitas pessoas hoje preferem dizer que “aconteceu” para não admitir que “eu fiz”. É mais fácil culpar o governo ou a sociedade do que assumir responsabilidade pelos próprios atos. Ninguém nunca conseguiu justificar o pecado. Deus justifica pecadores arrependidos!

● Cumprir seus deveres na família. Pais fiéis a Deus, fiéis aos cônjuges e fiéis aos filhos ajudam os filhos a aprenderem seus papéis na família (Efésios 5:22-6:4). Pais precisam ser homens de verdade que sustentam e guiam suas famílias. Mães precisam ser submissas aos seus maridos, mostrando amor para eles e para os filhos. Filhos precisam ser obedientes, respeitando e honrando os pais. E os pais devem ensinar aos filhos, ajudando-os a crescer para ser homens e mulheres fiéis a Deus e dedicados às suas famílias.

● Aprender uma perspectiva eterna. Todos nós precisamos aprender a olhar para tudo ao nosso redor de uma perspectiva eterna. Pessoas materialistas se preocupam com as coisas passageiras. Pessoas espirituais olham para as coisas eternas. Nós, e nossos filhos, precisamos aprender que “acabam-se os nossos anos como um breve pensamento.... porque tudo passa rapidamente” (Salmo 90:9,10). Como Moisés, devemos pedir: “Ensina-nos a contar os nossos dias, para que alcancemos coração sábio” (Salmo 90:12). Precisamos ensinar e viver de uma maneira que os nossos filhos possam aprender a acumular seus tesouros no céu, não aqui na terra (Mateus 6:19-21; Lucas 12:15-21). A vida passa como neblina (Tiago 4:13-15). Depois desta vida, vem o julgamento e a eternidade (Hebreus 9:27). Vamos ensinar a palavra de Deus para ajudar os nossos filhos olharem para a eternidade e se prepararem para a vida eterna na presença de Deus!
Ser pais é uma grande bênção e uma responsabilidade enorme que alcança a eternidade. Vamos fazer o melhor possível para guiar os nossos filhos no caminho do Senhor.

–por Dennis Allan

Finalizando, Crianças e Adolescentes um dia crescem e formam familias e terão que continuar o ciclo do ensinamento.
Mesmo que houve um erro em sua educação, você mesmo pode mudar.
Todo ser humano pode achar o caminho do acerto, pois todos um dia recebemos a chamada de Deus. Se você quer que sua vida seja diferente, comece a ser diferente e acertar o seu caminho.  

Lembrete:

Filhos, obedeçam a seus pais no Senhor, pois isso é justo.
"Honra teu pai e tua mãe", este é o primeiro mandamento com promessa:
"para que tudo te corra bem e tenhas longa vida sobre a terra".
Pais, não irritem seus filhos; antes criem-nos segundo a instrução e o conselho do Senhor.
Efésios 6:1-4


Depressão na adolescência


Depressão é uma doença crônica, recorrente, muitas vezes com alta concentração de casos na mesma família, que ocorre não só em adultos, mas também em crianças e adolescentes. O que caracteriza os quadros depressivos nessas faixas etárias é o estado de espírito persistentemente irritado, tristonho ou atormentado que compromete as relações familiares, as amizades e a performance escolar. De acordo com a “American Psychiatric Association”, um episódio de depressão é indicado pela presença de 5 ou mais dos seguintes sintomas, quase todos os dias, por um período de pelo menos duas semanas:
* Estado de espírito depressivo durante a maior parte do dia;
* Interesse ou prazer pela maioria das atividades claramente diminuídos;
* Diminuição do apetite, perda ou ganho significativo de peso na ausência de regime alimentar (geralmente, uma variação de pelo menos 5% do peso corpóreo);
* Insônia ou hipersônia;
* Agitação psicomotora ou apatia;
* Fadiga ou perda de energia;
* Sentimento exagerado de culpa ou de inutilidade;
* Diminuição da capacidade de concentração e de pensar com clareza;
* Pensamentos recorrentes de morte, ideação suicida ou qualquer tentativa de atentar contra a própria vida.
Na ausência de tratamento, os episódios de depressão duram em média oito meses. Durações mais longas, no entanto, podem ocorrer em casos associados a outras patologias psiquiátricas e em filhos de pais que também sofrem de depressão.
A doença é recorrente: para quem já apresentou um episódio de depressão a probabilidade de ter o segundo em dois anos é de 40%, e de 72% em 5 anos.
Em pelo menos 20% dos pacientes com depressão instalada na infância ou adolescência, existe o risco de surgirem distúrbios bipolares, nos quais fases de depressão se alternam com outras de mania, caracterizadas por euforia, agitação psicomotora, diminuição da necessidade de sono, idéias de grandeza e comportamentos de risco.
Antes da puberdade, o risco de apresentar depressão é o mesmo para meninos ou meninas. Mais tarde, ele se torna duas vezes maior no sexo feminino. A prevalência da enfermidade é alta: depressão está presente em 1% das crianças e em 5% dos adolescentes.
Ter um dos pais com depressão aumenta de 2 a 4 vezes o risco da criança. O quadro é mais comum entre portadores de doenças crônicas como diabetes, epilepsia ou depois de acontecimentos estressantes como a perda de um ente querido. Negligência dos pais e/ou violência sofrida na primeira infância também aumentam o risco.
É muito difícil tratar depressão em adolescentes sem os pais estarem esclarecidos sobre a natureza da enfermidade, seus sintomas, causas, provável evolução e as opções medicamentosas. Uma classe de antidepressivos conhecida como a dos inibidores seletivos da recaptação da serotonina (fluoxetina, paroxetina, citalopran, etc.) é considerada como de primeira linha no tratamento em crianças e adolescentes e os estudos mostram que 60% respondem bem a esse tipo de medicação, que apresenta menos efeitos colaterais e menor risco de complicações por “overdose” do que outras classes de antidepressivos.
A recomendação é iniciar o esquema com 50% da dose e depois ajustá-la no decorrer de três semanas de acordo com a reação da pessoa e os efeitos colaterais. Uma vez que a resposta clínica tenha sido obtida, o tratamento deve ser mantido por seis meses, no mínimo, para evitar recaídas.
A terapia comportamental mostrou eficácia em ensaios clínicos e parece dar resultados melhores do que outras formas de psicoterapia.
Por meio dela, os especialistas procuram ensinar aos pacientes como encontrar prazer em atividades rotineiras, melhorar as relações interpessoais, identificar e modificar padrões cognitivos que conduzem à depressão.
Outro tipo de psicoterapia eficaz em ensaios clínicos é conhecida como terapia interpessoal. Nela, os pacientes aprendem a lidar com dificuldades pessoais como a perda de relacionamentos, decepções e frustrações da vida cotidiana. O tratamento psicoterápico deve ser mantido por seis meses, no mínimo.
Como o abuso de drogas psicoativas e o suicídio são consequências possíveis de quadros depressivos, os familiares devem estar atentos e encaminhar os doentes a serviços especializados assim que surgirem os primeiros indícios de que esses problemas possam estar presentes.

Drauzio Varella

Mas como tratamos a depressão com a Palavra de Deus?

A depressão pode ser aliviada meditando pacientemente na Palavra de Deus e esperando que Ele atue na nossa vida. A Bíblia diz em Salmos 42:6 “Ó Deus meu, dentro de mim a minha alma está abatida; porquanto me lembrarei de ti desde a terra do Jordão, e desde o Hermom, desde o monte Mizar.”
A oração é um aspecto essencial para lidar com a depressão. A Bíblia diz em 1 Samuel 1:10 “Ela, pois, com amargura de alma, orou ao Senhor, e chorou muito.”
É bom dar graças ao Senhor pelas sua bençãos. A Bíblia diz em Salmos 107:8-9 “Dêem graças ao Senhor pela sua benignidade, e pelas suas maravilhas para com os filhos dos homens! Pois ele satisfaz a alma sedenta, e enche de bens a alma faminta.”
O louvor afungenta a depressão. A Bíblia diz em Salmos 34:1-3 “Bendirei ao Senhor em todo o tempo; o seu louvor estará continuamente na minha boca. No Senhor se gloria a minha alma; ouçam-no os mansos e se alegrem. Engrandeci ao Senhor comigo, e juntos exaltemos o seu nome.”
A música cristã ajuda a dissipar a depressão. A Bíblia diz em Salmos 33 :1-3 “Regozijai-vos no Senhor, vós justos, pois aos retos fica bem o louvor. Louvai ao Senhor com harpa, cantai-lhe louvores com saltério de dez cordas. Cantai-lhe um cântico novo; tocai bem e com júbilo.”
Os sentimentos depressivos e de desânimo não duram para sempre. A Bíblia diz em Salmos 30:5 “O choro pode durar uma noite; pela manhã, porém, vem o cântico de júbilo.”
Observar a Lei de Deus traz paz aos que estão deprimidos. A Bíblia diz em Salmos 119:165 “Muita paz têm os que amam a tua lei, e não há nada que os faça tropeçar.” 


fonte: Jesus voltará